O que é o mito da reciclagem dolorosa?

As autorreciclagens precisam ser dolorosas?

O mito da reciclagem dolorosa é a associação automática, porém ilusória, de o processo de reciclagem intraconsciencial (recin) estar necessariamente atrelado à dor, desconforto ou incômodo, por parte do evoluciente jejuno.

É perceptível, em determinado segmento de autopesquisadores, a ideia equivocada de a implementação dos aprimoramentos pessoais estar, invariavelmente, associado a algum nível de descomodidade. Em tais condições, instala-se o frio na barriga diante do vislumbre do neopatamar evolutivo. Ou seja, a mudança é considerada sofrimento.

Tais apriorismos podem criar um ciclo de sofrimento psíquico desnecessário e contraproducente ao intermissivista, um dilema silencioso onde cenários mentais são construídos tendo como elemento comum a inevitabilidade do incômodo. As opções são: o desconforto da velha mesmice autopensênica ou a agrura do futuro incerto da autorrecin.

A ideia de “no pain, no gain” (ou seja, “sem dor, não há ganho”) pode estar indicando a necessidade da autoconsciencioterapia com maior domínio técnico, sem emocionalismos (mesmo que o foco da autopesquisa seja o próprio psicossoma, ou veículo das emoções) ou ideias pré-concebidas fixadas, chamadas apriorismoses 1.

 

Recin: experiência prazerosa

Assumir a inseparabilidade do desprazer ao processo de autoconhecimento é um erro autocognitivo de experimentação. A autocura, ao contrário desta concepção, é prazerosa e libertária.

É indispensável, ao longo da programação existencial, o intermissivista aprender a se reinventar cada vez mais e melhor, de modo eficaz, para desconstruir os traços-fardos e potencializar os traços-força, em um crescendo de fluidez, bom-humor e serenidade íntima.

Há formas de inquietação (no sentido de não se manter quieto ou acomodado) verdadeiramente positivas e úteis à condição de renovação humana. Nem toda inquietação é sinônimo de desassossego. O importante é priorizar as autodesconstruções racionais e libertadoras do pior de nós mesmos, de modo cada vez mais profissional e menos tenso.

 

A paracientificidade leva à qualificação pensênica

Dentro das experimentações evolutivas em laboratórios de Consciencioterapia, a constatação é de que quanto maior a paracientificidade ao lidar com as próprias fraquezas e mazelas, maior será a capacidade de conciliar o prazer pessoal à renovação da própria existência 2.

Esta forma de reciclagem prazerosa tem como base os qualipensenes, ou a junção de pensamentos, sentimentos e energias associados à qualidade da manifestação pensênica. Inclui-se, neste caso, os pensenes manifestos no decorrer da autopesquisa das próprias imaturidades 3.  

A abordagem ao cosmos, e também ao próprio microuniverso consciencial, com bom-humor é estratégia inteligente de planificação e autodesenvolvimento do intermissivista.

 

Neofilia e júbilo pela autocura

Há a necessidade de coerência entre o curso intermissivo da consciex e as escolhas intrafísicas da conscin. A autorreciclagem firme e autopacificada é indicador de coerência intermissiva.

Na verificação prática do bem-estar na promoção de autocuras, pelo menos dois elementos podem ser mencionados:

  1. A neofilia antes da autocura, com a perspectiva futura prazerosa da nova realidade íntima mais avançada, planificada e objetivada, levando a novos patamares de autopensenidade.

  2. O júbilo após a autocura, com o autocontentamento ao constatar o domínio do trafar, ou traço-fardo.  

 

E então, vamos promover autorreciclagens prazerosas?

 

 

Autor: Marco Almeida, consciencioterapeuta e voluntário da Organização Internacional de Consciencioterapia (OIC).

 

Saiba mais sobre o assunto:

Tertúlia Conscienciológica: Racionalidade Paracientífica

Referências Bibliográficas:

1 Vieira, Waldo; Apriorismose; verbete; In: Vieira, Waldo; Org.; Enciclopédia da Conscienciologia; apres. Coordenação da ENCYCLOSSAPIENS; revisores Equipe de Revi­so­res da ENCYCLOSSAPIENS; 27 Vols.; CLXXIV+23.004 p.; 1.112 citações; 11 crono­lo­gias; 33 E-mails; 206.055 enus.; 602 especialidades; 1 foto; glos. 4.580 termos (verbetes); 701 mi­cro­bio­grafias; 274 tabs.; 702 verbetógrafos; 28 websites; 670 filmes; 13.896 refs.; 54 videografias; 1.087 webgrafias; 9ª Ed. Digital; rev. e aum.; Associação Internacional de Enciclopediologia Cons­cienciológica (ENCYCLOS­SA­PIENS); & Associação Internacional Editares; Foz do Igua­çu, PR; 2018; ISBN 978-85-8477-120-2; páginas 1.559 a 1.561; disponível em: <http://encyclossapiens.space/nona/ECDigital9.pdf>; acesso em: 08.06.20; 08h10.

 

2 Idem; Racionalidade Paracientífica; verbete; In: Vieira, Waldo; Org.; Enciclopédia da Conscienciologia; apres. Coordenação da ENCYCLOSSAPIENS; revisores Equipe de Revi­so­res da ENCYCLOSSAPIENS; 27 Vols.; CLXXIV+23.004 p.; 1.112 citações; 11 crono­lo­gias; 33 E-mails; 206.055 enus.; 602 especialidades; 1 foto; glos. 4.580 termos (verbetes); 701 mi­cro­bio­grafias; 274 tabs.; 702 verbetógrafos; 28 websites; 670 filmes; 13.896 refs.; 54 videografias; 1.087 webgrafias; 9ª Ed. Digital; rev. e aum.; Associação Internacional de Enciclopediologia Cons­cienciológica (ENCYCLOS­SA­PIENS); & Associação Internacional Editares; Foz do Igua­çu, PR; 2018; ISBN 978-85-8477-120-2; páginas 18.777 a 18.780; disponível em: <http://encyclossapiens.space/nona/ECDigital9.pdf>; acesso em: 08.06.20; 08h21.

 

3 Idem; Reciclagem Prazerosa; verbete; In: Vieira, Waldo; Org.; Enciclopédia da Conscienciologia; apres. Coordenação da ENCYCLOSSAPIENS; revisores Equipe de Revi­so­res da ENCYCLOSSAPIENS; 27 Vols.; CLXXIV+23.004 p.; 1.112 citações; 11 crono­lo­gias; 33 E-mails; 206.055 enus.; 602 especialidades; 1 foto; glos. 4.580 termos (verbetes); 701 mi­cro­bio­grafias; 274 tabs.; 702 verbetógrafos; 28 websites; 670 filmes; 13.896 refs.; 54 videografias; 1.087 webgrafias; 9ª Ed. Digital; rev. e aum.; Associação Internacional de Enciclopediologia Cons­cienciológica (ENCYCLOS­SA­PIENS); & Associação Internacional Editares; Foz do Igua­çu, PR; 2018; ISBN 978-85-8477-120-2; páginas 19.064 a 19.067; disponível em: <http://encyclossapiens.space/nona/ECDigital9.pdf>; acesso em: 08.06.20; 08h08.

Foz do Iguaçu / PR (sede)

Av. Felipe Wandscheer, 6945 | Bairro: Cognópolis | CEP: 85856-850

aco@oic.org.br | (45) 99921.6664

agendamento@oic.org.br | (45) 99921.6566

São Paulo / SP (unidade)

R. Estela, 515, conj. 92H | Cond. Ibirapuera Central Park

Bairro: Vila Mariana | CEP: 04011-904

saopaulo@oic.org.br

agendamentosp@oic.org.br | (11) 97521.3158

Rio de Janeiro / RJ (unidade)

R. Marquês de Abrantes, 170, sl. 404 | Ed. Nexus Offices

Bairro: Flamengo | CEP: 22230-061

riodejaneiro@oic.org.br | (21) 97110.8531

agendamentorj@oic.org.br | (21) 99844.0505

  • Grey Facebook Icon
  • Grey Instagram Icon
  • Grey YouTube Icon

Cadastre-se e receba nossas informações:

Organização Internacional de Consciencioterapia

CNPJ: 05.893.994.0001-36

Porto Alegre / RS (cidade atendida)