Gescon Grupal

Cabeçalho Dicionário on-line_vf.png

Grupopesquisa. A redação do Dicionário de Consciencioterapeuticologia seguiu o princípio da Grupopesquisologia, proposto por Waldo Vieira no Dicionário de Argumentos da Conscienciologia (página 1.270). Segundo o autor, as pesquisas grupais são mais relevantes quando comparadas à autopesquisa isolada, e, acrescenta, ser a união de paracérebros afins, e convergentes para o mesmo megafoco, capaz de expandir a hiperacuidade pesquisística, a serendipitia e o alcance de neoverpons prioritárias.


Consenso. Os verbetes são os resultados dos trabalhos de várias mãos, paramãos e, principalmente, de múltiplos mentaissomas. A materialização conscienciográfica dos debates, ideias e experiências de todos os pesquisadores da equipe é, de tal forma, a fonte dos conteúdos consensuais dos voluntários da OIC, consciencioterapeutas e pré-consciencioterapeutas. Foram 430 reuniões de trabalho presenciais e on-line, além das milhares de horas empregadas individualmente pelos integrantes da equipe lexicográfica.


Glossário. Os primeiros ensaios para a redação do Léxico começaram no ano de 2015, após o setor de Comunicação da OIC demandar da área Paracientífica definições sobre termos fundamentais da consciencioterapia, a exemplo das modalidades de atendimento consciencioterápico. A dificuldade em encontrar fontes consensuais sobre expressões tão usuais entre os consciencioterapeutas foi o fato inconteste, indicativo da necessidade de se desenvolver, a princípio, Glossário especializado.


Léxico. Da proposta inicial do Glossário até a decisão de redigir dicionário terminológico foram poucos meses. Fortuitamente, nesse ínterim, em janeiro de 2016, o Centro de Altos Estudos da Conscienciologia (CEAEC) promoveu a segunda turma do curso Como Fazer Dicionários, atividade promotora de inavaliáveis orientações lexicográficas para os primeiros passos da organização da obra.


Marcos. Em 21 de fevereiro de 2016, deu-se início aos debates da equipe da OIC sobre as definições dos termos a serem incluídos na obra. A partir dessa data as reuniões de trabalho grupal começaram a ter periodicidade mensal e duração de duas horas e trinta minutos. Em 21 de abril de 2018, foi realizada a primeira atividade do Programa de Aperfeiçoamento do Consciencioterapeuta (PAC) fundamentada nas pesquisas do Dicionário, e, em junho do mesmo ano, a equipin pioneira de definidores passou a se encontrar semanalmente no Holociclo para realizar pesquisas no acervo do local e os debates dos participantes sobre as pré-definições, implantando, a partir de então, ritmo mais célere à produção da gescon.


Equipinologia. Com o avanço das pesquisas e as necessidades inerentes a cada fase de produção lexicográfica, foram sendo formados grupos de trabalho reunidos de acordo com a disponibilidade, a afinidade e a expertise individual. Dessa maneira, os 54 colaboradores da obra atuaram em uma ou mais das 10 equipes técnicas dispostas a seguir, na ordem alfanumérica:
01. Equipe de Bibliografia Específica Exaustiva.
02. Equipe de Especialidades.
03. Equipe de Filmografia.

04. Equipe de Idiomas.
05. Equipe de Índice Remissivo.
06. Equipe de Organização.
07. Equipe de Revisão.
08. Equipe de Tecnologia da Informação.
09. Equipe de Verbetografia.
10. Equipe do Dicionário On-line.


Fundamentos. Entre os anos de 2016 e 2019, durante mais de uma centena de reuniões técnicas, foram estabelecidos os consensos iniciais e debatidas as definições dos termos fundamentais da consciencioterapia. Ao final dessa fase, a obra contava com as seções Entrada, Definologia, Especialidade, Sinonimologia, Coloquiologia, Neologia Multilíngue, Remissiologia e obras de referência.


Pandemia. Surpreendentemente, o distanciamento social exigido pela pandemia de covid-19, somado à popularização das ferramentas de reunião virtual, colaborou para o aumento da participação e a dedicação dos voluntários ao projeto, especialmente dos não residentes em Foz do Iguaçu. Entre março de 2020 e dezembro de 2021 foram realizadas mais
de 200 reuniões técnicas virtuais, havendo de 3 a 4 encontros semanais, envolvendo todos os voluntários da instituição, além dos colaboradores especialistas integrantes das 4 equipes de idiomas.


Neosseção. Nessa fase, a gescon evoluiu para o formato ora apresentado, adquirindo maior consistência com a inclusão de seção de argumentação analítica, denominada Consciencioterapeuticologia.


Publicidade. O planejamento e a estrutura geral da gescon foram apresentados pela primeira vez para a Comunidade Conscienciológica Cosmoética Internacional (CCCI) na III Semana Paracientífica do CEAEC, em julho de 2016. Em setembro do mesmo ano, o Projeto do Dicionário Terminológico Multilíngue de Consciencioterapia foi publicado na revista Conscientiotherapia por Haymann & Medeiros (2016).


Definições. Dois anos mais tarde, em 2018, na V Semana Paracientífica, foi apresentado o status da obra e realizado experimento com os presentes com aplicação da técnica adotada para a definição dos termos em grupo, a qual foi posteriormente publicada como resumo na revista Conscientia dedicada ao evento com título Laboratório de Definições
Consciencioterápicas.


Especialidades. Ainda no mesmo ano, em setembro, Haymann (2018) publicou o artigo Subespecialidades da Consciencioterapeuticologia no Contexto do Dicionário Terminológico Multilíngue de Consciencioterapia na revista Conscientiotherapia, com intuito de fundamentar o uso das especialidades consciencioterápicas adotadas na obra. Em julho
de 2022, como parte da IX Semana Paracientífica, o autor apresentou na Tertúlia Matinal do CEAEC o tema Especialidades da Consciencioterapeuticologia com a versão final do quadro sinóptico dos campos paracientíficos adotados na obra.


Conscientiotherapia. Desde o início do empreendimento, buscou-se publicar os consensos grupais. Para este fim, na edição de 2016, a equipe editorial da revista Conscientiotherapia criou seção específica do periódico denominada Terminologia Consciencioterápica. Desde então, a cada volume da revista, são publicados materiais produzidos no período pela equipe do DC.


Online. Para facilitar a produção em grupo, a Comissão de Interassistência Tecnológica (CIT) da UNICIN criou para o Dicionário página web do tipo wiki, a princípio somente para uso interno. Porém, no início de 2018, em função da demanda dos pesquisadores da Comunidade Conscienciológica Cosmoética Internacional (CCCI), e com o intuito de ampliar a publicidade do empreendimento, foi dado acesso público à página, a partir de então, vinculada ao site institucional da OIC.


Farmacopeia. O amadurecimento das pesquisas grupais possibilitou o início da Farmacopeia Consciencioterápica no segundo semestre de 2019, atividade fundamentada em verbetes do Dicionário de Consciencioterapeuticologia disponibilizados ao público. Na forma de debate aberto entre consciencioterapeutas, online e gratuito, com o objetivo principal de proporcionar aos interessados conhecimento e ferramentas para o desenvolvimento prático da autoconsciencioterapia, a Farmacopeia passou a integrar a grade regular da OIC.


Paratecnologia. Tendo em vista a Terminografia Consciencioterapeuticológica, para superar os inúmeros desafios de manter o holopensene verponológico, harmônico e de interdesassedialidade, bem como qualificar o trabalho gesconográfico grupal, eis as 54 técnicas da Consciencioterapeuticografologia Grupal aplicadas, dispostas a seguir, na ordem alfanumérica:
01. Técnica da autoconsciencioterapeuticografia.
02. Técnica da Bibliografia Específica Exaustiva (BEE).
03. Técnica da busca ativa de pareceres dos especialistas da CCCI.
04. Técnica da chapa verbetográfica da especialidade.
05. Técnica da circularidade conscienciográfica.
06. Técnica da consulta aos consciencioterapeutas veteranos.
07. Técnica da criação neológica multilíngue.
08. Técnica da defesa cosmoética da neoideia no grupo.
09. Técnica da definição terminológica.
10. Técnica da divergência ideativa fraterna.
11. Técnica da encomenda de verbete específico ao voluntário especialista.
12. Técnica da escrita inspirada pelo coterapeuta extrafísico.
13. Técnica da evitação da reunionite.
14. Técnica da evitação das críticas ad hominem.
15. Técnica da evitação das hiperrevisões.
16. Técnica da evitação do conservantismo ideativo.
17. Técnica da evitação dos parasitas de linguagem.
18. Técnica da exposição aberta das práticas consciencioterápicas.
19. Técnica da filmografia consciencioterapêutica.
20. Técnica da formação de equipes especializadas por afinidade temática.
21. Técnica da heterocrítica construtiva.

22. Técnica da higiene consciencial nas abordagens a temas nosográficos.
23. Técnica da inclusão da heteroideia no texto pessoal.
24. Técnica da inclusão da perspectiva do autoconsciencioterapeuta no texto.
25. Técnica da inclusão da perspectiva do consciencioterapeuta no texto.
26. Técnica da inclusão da perspectiva do evoluciente no texto.
27. Técnica da inclusão de todos os voluntários nos trabalhos.
28. Técnica da inclusão universalista de outros idiomas na obra.
29. Técnica da Legadologia consciencioterapeuticográfica.
30. Técnica da paciência interconsciencial multímoda.
31. Técnica da Parapedagogia contínua em Conscienciografologia.
32. Técnica da pesquisa em dicionários especializados.
33. Técnica da publicação dos neotermos na revista Conscientiotherapia.
34. Técnica da publicação progressiva dos neotermos online.
35. Técnica da Remissiologia prescriciológica.
36. Técnica da retribuição da assistência consciencioterápica recebida.
37. Técnica da revisão conscienciográfica em grupo.
38. Técnica da revisão e atualização de conceitos preexistentes.
39. Técnica da revisão nas reuniões paraclínicas.
40. Técnica da sinonímia mais exata possível.
41. Técnica da superação ágil das autofrustrações.
42. Técnica da terminografia em grupo.
43. Técnica da terminografia orientada pelos fatos e parafatos.
44. Técnica da valorização das experiências autoconsciencioterápicas.
45. Técnica da valorização das experiências heteroconsciencioterápicas.
46. Técnica da valorização do heterotrafor.
47. Técnica da vivência coexistencial do binômio admiração-discordância.
48. Técnica das reuniões abertas a todos os voluntários.
49. Técnica de abrir mão das ideias rejeitadas pelos revisores.
50. Técnica do acolhimento não reativo às heterocríticas.
51. Técnica do debate da definição consciencioterapêutica.
52. Técnica do debate público de neoverbete na Farmacopeia Consciencioterápica.
53. Técnica do interdesassédio dos integrantes da equipin interassistencial.
54. Técnica do investimento continuado no nivelamento técnico da equipin.


Perspectiva. A equipe da OIC prentende expandir esta obra por meio da contínua produção de neoverbetes e lançamento de novas edições atualizadas no futuro. Tal intento coaduna com a missão institucional, sendo iniciativa importante sobretudo devido à constante evolução da Paraciência Consciencioterapeuticologia e o desenvolvimento das neoverpons
conscienciológicas.