Como a Consciencioterapia pode ajudar a superar a robéxis?

Você vive uma existência robótica, com crescente sensação de desconforto?

 

Uma vida de robotização existencial (robéxis) ocorre quando a consciência humana se deixa dominar pela dimensão intrafísica, numa sociedade intrafisicalizada, ainda patológica.

 

Segundo Vieira, o que mais falta às pessoas robotizadas é a reflexão mais profunda para eliminar os apriorismos, superstições, medos, tabus e principalmente fanatismos mantidos pela monovisão regressiva  2.

 

O intermissivista sem autocrítica e discernimento pode passar toda a existência intrafísica alienado dos compromissos pré-ressomáticos para realização da programação existencial (proéxis), escravizado pela socin (sociedade intrafísica).

 

Tal condição pode levar ao estado íntimo de apatia, sensação de estagnação, falta de progresso e realizações, com desânimo moral, ausência de coragem para mudar, seguido de autodescompensação energética.

 

Em vez de enfrentar o desconforto, aqueles que permanecem nessa condição procuram, por vezes, formas de se anestesiarem para não sentirem a angústia da situação, mantendo, assim, os comportamentos antievolutivos. Essa atitude contribui geralmente para o aumento da autoperturbação, em vez de neutralizá-la.

 

O sentimento geral de desconforto pode, além de levar à melancolia intrafísica (melin), indicar para a conscin que ela não está vivendo de acordo com os valores evolutivos e o planejamento de vida pessoal, o qual foi assumido com mais lucidez no Curso Intermissivo (CI).

 

O CI consiste em aprendizagem especializada para a consciex melhorar o autodesempenho evolutivo na existência seguinte, enquanto conscin. O curso acontece no período entre duas vidas humanas sucessivas, quando a consciência se manifesta na dimensão extrafísica portando um corpo mais sutil, o psicossoma.

 

Os estudos da especialidade Consciencioterapeuticologia propuseram o termo marasmo existencial, o qual significa estado ou condição nosológica de apatia, abatimento moral, falta de vontade ou prostração, caracterizada pela ausência ou insuficiência de realizações, de fluxo ou de progresso evolutivo consciencial (DTPC, online).

 

Quais valores estão ativos no estilo de vida escolhido?

 

A formação do sistema de valores de vida intrafísicos ocorre desde a infância, resultando da interação da genética, paragenética e mesologia. Em geral, são mais influenciados por gostos e preferências emocionais, tradições e costumes familiares e sociais.

 

Perceber quais os valores orientam o comportamento é uma forma de compreender a raiz das motivações, prioridades e decisões sobre a vida cotidiana.

 

Para esse efeito, é relevante discriminar:

1. Valores pessoais: importância dada a determinada realidade consciencial, abstrata ou material.

2. Valores idealizados: conceito ou realidade considerados importantes pela conscin para a autevolução, mas ainda só teóricos. Pode ser positivo, ambíguo ou mesmo negativo, de acordo com a visão da consciência.

3. Valores experimentados: ideia, qualidade ou realidade considerada importante e prioritária pela conscin, geradora de motivação e orientadora de decisões e ações diárias. Podem ser de origem paragenética ou mesológica e serem modificados por experiências pessoais e recuperação de cons.

4. Valores evolutivos: são homeostáticos, promovem a evolução consciencial de modo cosmoético. A autocrítica sobre a qualidade dos valores torna possível determinar o nível pessoal de saúde e evolução da consciência.

Como sair do estado de estagnação evolutiva?

As mudanças íntimas exigem a reciclagem de traços antievolutivos, novas formas de reagir, pensar, sentir e agir (neopensenes), fazendo uso de traços-força para implementar a mudança.

 

Dentro da neociência Conscienciologia, a Consciencioterapia é a especialidade que se aplica aos estudos específicos, sistemáticos e temáticos do tratamento, alívio e remissão de perturbações da consciência. Essa especialidade utiliza recursos e técnicas para identificar e superar patologias e parapatologias, e para implementar a profilaxia e a paraprofilaxia, o que permite o autenfrentamento e a autossuperação (DTPC, online).

 

A autoconsciencioterapia é ferramenta eficaz para mudanças intraconscienciais. Baseia-se na proposta de a própria consciência ser responsável pela autocura, através da aplicação de técnicas que ajudam em todo o ciclo consciencioterápico, modelo utilizado na consciencioterapia e composto pelas fases de autoinvestigação, autodiagnóstico, autenfrentamento e autossuperação.

 

O ponto de viragem conducente à mudança ocorre quando a pessoa tem clareza do autodiagnóstico, identifica as perdas evolutivas, desiste dos pseudobenefícios ou ganhos secundários de certos comportamentos, e compreende que a autoexpressão atual não é consistente com o nível de cosmoética pessoal pretendido, ou seja, CPC – Código Pessoal de Cosmoética.

 

 

Por onde começar?

 

Uma técnica consciencioterápica que pode ser utilizada na fase de autoinvestigação é a Técnica do Enfrentamento do Malestar: “Procedimento de autoinvestigação realizado a partir da identificação de sensação desagradável, desconforto, incômodo, constrangimento, insatisfação ou indisposição pessoal, de modo a estabelecer a área principal do problema apresentado, da própria parapatologia ou trafar a ser tratado” (DTPC, online).

 

Vale a pena mencionar que conhecer o autodiagnóstico é importante, mas não suficiente para a cura. Para deixar a robéxis, é essencial estabelecer objetivos claros e compatíveis com a autorrealidade, enfrentar continuamente as situações identificadas até alcançar a autossuperação. 

 

Outra técnica que pode ser utilizada é a Técnica da ação pelas pequenas coisas: Procedimento de autenfrentamento caracterizado pela ação pelas pequenas coisas, que dependem exclusivamente da vontade do evoluciente. A técnica começa com a decisão de autenfrentamento. Baseia-se no princípio de que a doença se deve à falta de fluxo evolutivo, e o remédio será imprimir fluxo contínuo a partir das ações pessoais. A melhoria obtida aumenta a energia e a motivação para continuar os próximos passos.

 

O alinhamento com a perspectiva evolutiva na vida humana e a reciclagem de comportamentos estagnados levam à cura da melancolia intrafísica.

 

A consciência assume, com lucidez e discernimento, a direção da própria evolução, sem transferir a responsabilidade pessoal dos seus atos e dos resultados, tornando a vontade mais ativa, forte, e autônoma. Ao assumir a responsabilidade pessoal na própria evolução e na melhoria do nível de saúde integral, liberta-se da postura de autovitimização.

 

As realizações autevolutivas da conscin, compatíveis com seu potencial, mantêm-na no fluxo evolutivo pessoal, libertando-a de possíveis robéxis – estado antievolutivo –, melhorando o bem-estar, a felicidade e a expansão da capacidade assistencial.

Autora: Luísa Consciência, voluntária da Organização Internacional de Consciencioterapia (OIC).

Saiba mais sobre este assunto:

Referências Bibliográficas:

 

  1. Peres, Christovão; A Aplicação da Vontade na Autoconsciencioterapia; Artigo; VIII Jornada de Saúde da Consciência e VIII Simpósio de Autoconsciencioterapia; Foz do Iguaçu, PR; 07-08.09.14; Saúde Consciencial; Revista; Anuário; Vol. 3; N. 3; Seção Consciencioterapia Clínica; 1 E-mail; 16 enus.; 1 microbiografia; 1 tabs.; 19 refs.; Organização Internacional de Consciencioterapia (OIC); Foz do Iguaçu; PR; Setembro, 2014; pages 5 to 17.

  2. Vieira, Waldo; Dicionário de Argumentos da Conscienciologia; revisores Equipe de Revisores do Holociclo; 1.572 p.; 1 blog; 21 E-mails; 551 enus.; 1 esquema da evolução consciencial; 18 fotos; glos. 650 termos; 19 websites; alf.; 28,5 x 21,5 x 7 cm; enc.; Associação Internacional Editares; Foz do Iguaçu, PR; 2014; pages 81 and 301.

  3. Idem; Our Evolution; 2. Ed.; 168 p.; Editares  International Association of Editares;  Foz do Iguaçu, 2016; pages 7, 12, 15, 51 and 64.

 

Webgrafia:

 

Dicionário Terminológico Poliglótico de Consciencioterapia (DTPC) online; Organização Internacional  de  Consciencioterapia  (OIC); s.v. “Consciencioterapeuticologia”; “Marasmo existencial”; “Técnica da ação pelas pequenas coisas”; “Técnica do enfrentamento do malestar”; “Valor idealizado”; “Valor pessoal”; “Valor evolutivo”; “Valor vivenciado”. Acessed on:<https://www.oic.org.br/ dicionario-de-consciencioterapia>.