Apresentação

Cabeçalho Dicionário on-line_vf.png

Referência. O Dicionário de Consciencioterapeuticologia com Termos Multilíngues Equivalentes foi concebido para ser obra de referência na teática da especialidade consciencioterápica. A gescon é fruto mentalsomático dos consensos relativos de ponta entre os consciencioterapeutas da Organização Internacional da Consciencioterapia (OIC) e do trabalho sinérgico, interassistencial, lexicográfico, de dezenas de voluntários da Conscienciologia.


Experimentologia. As origens das verdades relativas de ponta coligidas no Léxico remontam a 1988, quando o pesquisador Waldo Vieira (1932–2015) apresentou publicamente as técnicas básicas da consciencioterapia. A partir de então, começaram as autexperimentações intrafísicas e extrafísicas, individuais e grupais de consciencioterapeutas e evolucientes; primeiro, no holopensene interassistencial das Clínicas Experimentais de Consciencioterapia, em seguida no Núcleo de Assistência Integral à Consciência (NAIC) do Instituto Internacional de Projeciologia e Conscienciologia (IIPC) e, com a fundação em 2003, nas sedes da OIC.

Laboratório. O caráter marcadamente experimental do desenvolvimento da Consciencioterapeuticologia evidencia-se pela realização dos atendimentos consciencioterápicos, desde as Clínicas Experimentais, em recinto especializado, hoje denominado Evolutiarium. Tal ambiente paratecnológico foi o laboratório consciencioterapêutico por excelência e a incubadora-mor das neoverpons paraterapêuticas ora trazidas a público.


Público-alvo. Com enfoque na Paraclinicologia, logicamente o Dicionário de Consciencioterapeuticologia (DC) será de especial valor aos atuais e futuros consciencioterapeutas e evolucientes. No entanto, também poderá ser útil a qualquer conscin interessada em aplicar as verpons consciencioterápicas em busca da autocura ou na assistência interconsciencial com base nos fundamentos do Paradigma Consciencial.


Multidicionário. A depender da abordagem pesquisística do consulente, o conteúdo coligido no DC pode funcionar ao modo de outros 11 léxicos menores, especializados, conforme disposto a seguir, na ordem alfanumérica:

01. Dicionário de Parapatologias e Síndromes Conscienciais.
02. Dicionário de Sinônimos da Consciencioterapeuticologia.
03. Dicionário de Técnicas Autoconsciencioterápicas.
04. Dicionário de Técnicas Heteroconsciencioterápicas.
05. Dicionário Verponológico de Consciencioterapia.
06. Glossário Consciencioterápico Neológico Português-Alemão.
07. Glossário Consciencioterápico Neológico Português-Espanhol.
08. Glossário Consciencioterápico Neológico Português-Francês.
09. Glossário Consciencioterápico Neológico Português-Inglês.
10. Glossário de Coloquialismos da Prática Consciencioterápica.
11. Miniléxico das Especialidades da Consciencioterapeuticologia.

Perspectiva. O texto transita entre as perspectivas autoconsciencioterápicas e heteroconsciencioterápicas, ora predominando aspectos direcionados a evolucientes e autoconsciencioterapeutas, ora ressaltando condições próprias da prática consciencioterápica clínica.


Exemplo. Nas técnicas de natureza autoconsciencioterápica, por exemplo, o conteúdo é focado em orientar a experimentação do autoconsciencioterapeuta, mas como essa classe de procedimentos é de interesse heteroprescritivo ao consciencioterapeuta, a atuação deste também é considerada na argumentação.


Parapsiquismo. Em particular ao consciencioterapeuta, para quem o autoparapsiquismo é essencial na assistência paraclínica, a exposição detalhada das nuanças da prática heteroconsciencioterápica e a variedade de conceitos e técnicas apresentadas favorecem a aquisição de neossinapses parapsíquicas, contribuindo, dessa feita, para qualificar a interação
entre coterapeutas intrafísicos e extrafísicos, minorando as dificuldades recíprocas inerentes aos contatos interdimensionais.


Terminologia. A uniformização semântica promovida pela obra tem pelo menos 2 objetivos específicos: no âmbito comunicacional, visa à normalização do uso dos termos técnicos da Paraciência Consciencioterapeuticologia; na esfera cognitiva, promove a equalização dos significados e, consequentemente, da compreensão conceitual entre os pesquisadores
do campo de estudo conscienciológico.


Fundamentos. Na seleção dos temas para inclusão nesta primeira edição foram priorizados os constructos fundamentais e as técnicas de uso extensivo e consolidado na especialidade da consciencioterapia.


Normalização. Além da uniformização terminológica das expressões registradas em obras e periódicos técnicos da Conscienciologia, o leitor também encontrará neotermos referentes a fenômenos recorrentes da prática consciencioterápica, até então sem registro prévio na literatura conscienciológica. Nesse grupo, incluem-se muitas das técnicas heteroconsciencioterápicas e de fenômenos específicos ocorridos durante os atendimentos,
a exemplo do ritmo consciencioterápico.


Pesquisologia. No processo de definição do corpus de inclusão, também operou o princípio dos fatos e parafatos orientarem as pesquisas conscienciológicas. Inspirações dos amparadores técnicos e dos coterapeutas extrafísicos e experiências em atendimentos foram importantes indicadores de entradas a serem incluídas.


Especialização. Alguns dos neônimos referentes às especialidades consciencioterápicas são contribuições das pesquisas de ponta de consciencioterapeutas especializados nesses subcampos de estudos. Nesse grupo, encontram-se as técnicas, parapatologias e fenômenos do universo da volicioterapia e da consciencioterapia dessomática.


Multilíngue. Para cada entrada de verbete em português foram criados 4 termos neológicos equivalentes nos idiomas alemão, espanhol, francês e inglês. Essa característica complexificou a tarefa terminográfica grupal, dado os relevantes desafios inerentes à criação de neologismos, no caso multidiomática.

Internacionalização. Todavia, além de favorecer a consulta de pesquisadores e falantes dos referidos idiomas, a inclusão de outras línguas ajuda a cumprir importante missão da OIC, ao amplificar o caráter universalista da obra e abrir o caminho para a expansão internacional da instituição.


Consenso. Ao longo do processo de criação dos termos multilíngues equivalentes, buscou-se constantemente equalizar as expressões definidas com os consensos já firmados pelas equipes conscienciológicas de idiomas do Conselho Internacional de Neologística e Terminologia da Conscienciologia (CINEO). Mesmo assim, a terminologia adotada representa o consenso relativo de ponta das equipes de idiomas do DC, podendo, de tal forma, serem atualizadas, conforme a evolução da Ciência das Ciências, a Conscienciologia.