Conscienciologia

Neociência. A neociência Conscienciologia se dedica ao estudo da nossa essência, ou seja, a consciência, também denominada de individualidade, eu, ego, self.
Conscienciologia. Conscienciologia transcende a abordagem materialista das linhas científicas convencionais, propondo o desafio teórico e prático (teático) de percepção e análise da realidade íntima sob neoperspectiva racional, técnica, abrangente e universalista.
Transcendência. Esta transcendência se faz necessária devido ao extenso rol de fenômenos parapsíquicos ainda não explicados satisfatoriamente pelo paradigma newtoniano-cartesiano-mecanicista, a exemplo da experiência fora-do-corpo (projeção consciencial), da experiência de quase-morte (EQM), da telepatia, da lembrança de vidas passadas, da clarividência, dentre outros fenômenos extrassensoriais.
Incompletude. O paradigma científico vigente tem se mostrado incompleto quanto ao estudo da consciência e suas manifestações. Portanto, é razoável que este modelo seja refutado e quando necessário substituído por uma alternativa mais ampla. Este é o intuito da Conscienciologia, a qual foi proposta pelo médico, odontólogo, lexicógrafo e pesquisador brasileiro independente Waldo Vieira (1932 – 2015).
Paradigma Consciencial. A Conscienciologia se aprofunda no estudo da consciência embasada nos alicerces do Paradigma Consciencial, sendo este a teoria-líder ou a base filosófica da Conscienciologia.
Consciência.  De acordo com o Paradigma Consciencial, a consciência não é subproduto cerebral, não está adstrita ao corpo físico, e, portanto, subsiste após a morte biológica.
Pilares. Somos, portanto, abordados de modo integral, considerando principalmente os cinco pilares: o holossoma, a projeção consciencial, a bioenergética, a multidimensionalidade e a multiexistencialidade, detalhados a seguir.
I. Holossoma. A nossa essência não se limita ao corpo humano, visível e concreto. Ela é constituída de um conjunto (holo) de corpos ou veículos (somas) nos quais a consciência se manifesta, sendo estes:

  1. Soma: corpo físico, biológico, material. É o veículo nativo da dimensão intrafísica, o mais rústico.
  2. Energossoma: corpo energético, específico a cada consciência, composto por inúmeros chacras. Também denominado aura ou psicosfera.
  3. Psicossoma: corpo das emoções, também denominado por outras linhas de conhecimento como alma, perispírito ou corpo astral. Apresenta aparência semelhante ao corpo físico.
  4. Mentalsoma: corpo mental, do discernimento, das ideias. Sem forma definida, sua manifestação é a expressão lúcida e racional da consciência.

II. Projeção consciencial. A descoincidência do psicossoma do corpo físico é também conhecida pelo fenômeno da projeção consciencial ou viagem astral, sendo este relatado desde tempos imemoriais, e registrado de maneira ampla e universal em todas as culturas e sociedades. Traduz-se pela manifestação da consciência fora do corpo físico apresentando-se em outra dimensão, a extrafísica. É fenômeno autocomprobatório único e singular, demonstrando para o autopesquisador a existência após a morte e a interação com outras dimensões além da intrafísica.
III. Bioenergética. realidade bioenergética ainda é praticamente ignorada pela maioria das pessoas, o que exige experimentações geradoras de reeducação pessoal e grupal. Uma das tarefas primordiais da Conscienciologia é esclarecer quanto a esta realidade e ensinar técnicas que levem ao domínio das energias, evitando intoxicações desnecessárias nos contatos cotidianos, de modo a tornar as inter-relações conscienciais mais profícuas e sadias.
IV. Multidimensionalidade. A vivência e a conexão com múltiplas dimensões por meio da autoparaperceptibilidade (percepções extrassensoriais), caracterizam o pilar da multidimensionalidade. As dimensões variam de acordo com o padrão de pensamentos, sentimentos e energias (pensenes) emitidos pelas consciências.
V. Multiexistencialidade. A continuidade existencial em múltiplas vidas humanas, anteriores e posteriores à atual caracteriza o pilar da multiexistencialidade, também conhecido por multisseralidade (série de vidas). As experiências e aprendizados hauridos das vidas prévias e nos períodos entre vidas (intermissivos) conjugam-se a fim de constituir a essência da personalidade.

 

Princípio da Descrença

 

Princípio. A neociência Conscienciologia propõe o megadesafio do Princípio da Descrença, no qual o pesquisador se recusa a aceitar qualquer conceito de modo apriorista, dogmático, sem demonstração prática ou reflexão demorada.
Diferenciação. Sob esta proposição, a Conscienciologia demarca a sua diferenciação de outros sistemas de ideias ou linhas do conhecimento convencionais, a exemplo das religiõescrendices e misticismos em geral baseados na fé hermética.
Avanço. Não existem verdades absolutas perante a consciência. Todo conhecimento tende a evoluir, a avançar. Tudo o que envolve o estudo da consciência é passível de pesquisas e discussões, constituindo-se as verdades relativas de ponta (verpons).
Exposição. Nas dependências das Instituições Conscienciocêntricas (ICs), destinadas aos estudos e pesquisas conscienciológicas, pode-se verificar a exposição clara e transparente da seguinte mensagem: “Não acredite em nada, nem mesmo nas informações fornecidas por esta instituição. O inteligente é fazer pesquisas pessoais, repetidas e autocríticas sobre os temas sob análise”.
Racionalidade. O incentivo é que todos, voluntários e participantes das atividades conscienciológicas, acionem intencionalmente a própria lucidez, racionalidade e autodiscernimento na análise de temas diversos, muitos destes abordados outrora por diversas linhas de conhecimento, ousando experimentar neovivências autocomprovadoras da própria realidade consciencial.

 

Não acredite em nada, nem mesmo no que lhe informarem aqui.
EXPERIMENTE.
Tenha suas experiências pessoais.

Chamada para evento anual da OIC - Semana da consciencioterapia